Lavanderia Bônus-Banval


E em seu conselho de administração informal o PT, Nahas, Funaro...

Folha de SP

Corretora ligada ao PT é suspeita de lavagem

A Polícia Federal tem indícios de que a corretora que operou para o PT, a Bônus-Banval, não faz só negócios oficiais na Bolsas de Valores e na BM&F (Bolsa Mercantil e de Futuros): a empresa lava recursos para doleiros, segundo o levantamento inicial dos policiais. A PF trabalha com duas hipóteses: 1) o esquema de caixa dois do PT ter sido alimentado por alguns desses doleiros; e 2) a Bônus-Bonval funcionar como uma espécie de caixa de compensação entre doleiros.

Pelo menos quatro doleiros conhecidos realizaram operações no mercado financeiro por meio da corretora. Dois são alvo das investigações da CPI do Mensalão: Nelma Cunha, de Santo André, e Carlos Alberto Quaglia, de Florianópolis. Um terceiro investigado pela CPI, Lucio Bolonha Funaro, também recorria à Bônus-Banval.

O advogado da Bônus-Banval, Antônio Sérgio de Moraes Pitombo, diz que "não se pode confundir a corretora com a conduta de alguns clientes". Para Pitombo, a empresa é alvo de campanha difamatória (leia mais na pág. A9). A suspeita dos policiais é que esses doleiros tinham transferido os dólares que compraram para a corretora numa operação de lavagem de dinheiro. Um dos doleiros que apareceu na investigação da PF sobre a Bônus-Banval foi Dario Messer.

Na última terça-feira, o Toninho da Barcelona, relatou à CPI dos Bingos e do Mensalão que Messer era o doleiro usado pelo PT para esquentar doações ilegais. As ordens de pagamento, de acordo com o doleiro, eram dadas pelo lobista Marcos Valério de Souza -ele nega as acusações.

<< Home