Izeilton bota boca no trombone

Jornal Nacional -TVG.

Na entrevista exclusiva à Rede Globo, Izeílton diz que ajudou a escrever os relatórios feitos pelo ex-patrão, Sebastião Buani, para detalhar o esquema do chamado mensalinho. Seriam R$ 10 mil por mês para que Severino Cavalcanti, na época primeiro secretário da Câmara, autorizasse o aumento de preços cobrados nos restaurantes, o que ocorreu em janeiro daquele ano. “O pagamento era feito à vista, mas consta, no relato dele, um cheque de R$ 10 mil pago no banco Bradesco onde foi pago o cartão de crédito do deputado”, disse Izeilton. Izeilton apresentou novas testemunhas: o chefe dos garçons, chamado Ribamar, que levaria o dinheiro para o deputado Severino. E o empresário Marcelo Pescia, que também é dono de restaurante. O advogado de defesa do empresário Sebastião Buani está tentando convencê-lo a falar tudo o que realmente sabe.

<< Home