A Crise na Ucrânia


Le Monde, de 11/09/2005

Loulia Timochenko, a “Marianne de trança”

Nomeada Primeira Ministra em janeiro de 2005, Loulia Timochenko queria separar os negócios da política. Ora, se Viktor Iouchtchenko encerrou suas funções na quinta-feira, 8 de setembro, para colocar um ponto final na rivalidade que surgiu entre ela e o Chefe do Conselho de Segurança Nacional, Petro Porochenko, cada um representando os interesses de um grupo de oligarcas: Loulia, a “Marianne de trança” da “revolução laranja”, defende os interesses do “business” nacional, em oposição a Petro Porochencko, conhecido por suas ligações com os meios empresariais russos.

Aos 44 anos, esta mulher de aspecto frágil esconde, sob seu ar de madona, um punho de ferro e uma ambição desmedida. Despedida pelo Presidente, ela logo anunciou que entraria para a oposição. Temível mulher de negócios, política informada , oradora entusiasta, foi vista empoleirada num ônibus nas horas mais quentes da “revolução”, a jovem provinciana de Dniepropetrovsk, que desembarcou em Kiev há oito anos para entrar na política, tem mais de uma carta na manga. Ela adota seu penteado atual, com a famosa trança loura arrumada em forma de coroa em volta da cabeça. “ É falso?”, pergunta-lhe um dia um jornalista. Ela retira imediatamente os grampos e solta os longos cabelos louros. Desde então, sua trança tornou-se a marca de seu “status” de ícone, uma espécie de boné frígio à moda ucraniana.

<< Home