Rogério Tsunami Buratti


Agências Estado e Terra.

1. Segundo Rogério Buratti, Ralf Barqueth era o encarregado de recolher em dinheiro vivo a quantia mensalmente na empreiteira e entregar em SP para Delúbio Soares. O dinheiro vinha de contas nos bancos Bradesco e Santander. O esquema começou durante a segunda gestão de Palocci em Ribeirão Preto e continuou na gestão de Gilberto Maggioni. Palocci foi eleito prefeito de Ribeirão Preto pela segunda vez em 2000, cargo a que renunciou em 2002 para assumir o Ministério da Fazenda.

2. Buratti diz que bingos contribuíram para campanha de Lula. O promotor Sebastião Sergio da Silveira disse que Rogério Buratti, advogado e ex-assessor do então prefeito Antonio Palocci, afirmou em depoimento que grupos de casas de bingo em São Paulo e Rio contribuíram financeiramente para a campanha do então candidato Lula da Silva, em 2002. De acordo com o depoimento de Buratti, em São Paulo foram arrecadados cerca de R$ 1 milhão por Ralf Barquete dos Santos, ex-secretário de Palocci na prefeitura e ex-diretor da Caixa Econômica Federal. Barquete morreu de câncer. No Rio de Janeiro, segundo Buratti, foram arrecadados cerca de R$ 1 milhão por Waldomiro Diniz, ex-assessor do então ministro José Dirceu.

3. Ex-assessor de Palocci acusa políticos do PT, PSDB e PMDB. O promotor de Justiça Naul Felca disse que Rogério Buratti, citou, em seu depoimento, vário nomes de políticos do PT, PSDB e PMDB que estariam envolvidos no esquema de corrupção entre empreiteiras e prefeituras paulistas ligado ao serviço de coleta de lixo. Felca não citou os nomes apontados por Buratti, mas prometeu divulgá-los após a conclusão do depoimento. O dinheiro pago por empreiteiras mensalmente não era destinado ao financiamento de campanhas eleitorais.


(tarde)

<< Home