República Offshore III


Doleiro provocou queda de amigo do presidente
Folha SP.
O doleiro Toninho da Barcelona foi investigado em pelo menos três ações promovidas pela Polícia Federalnos últimos dois anos. Uma delas, em agosto do ano passado, provocou a queda do então superintendente da PF em SP, Francisco Baltazar da Silva, que havia assumido o cargo por indicação pessoal do presidente Lula. À época, a PF de Brasília havia aberto um inquérito para investigar o envolvimento de Baltazar com Barcelona. Após explicações consideradas contraditórias, o policial admitiu ter comprado US$ 134,6 mil do doleiro.

Ele deixou o cargo. Baltazar coordenou a equipe de segurança de Lula nas quatro eleições presidenciais que disputou (89, 94, 98 e 2002). Na Operação Farol da Colina, que prendeu 63 doleiros, Baltazar foi acusado de ter vazado informação sobre a ação. Ele havia sido informado pela cúpula da PF antes que os mandados de prisão fossem cumpridos. As suspeitas de vazamento levaram à prisão do delegado Carlos Fernando Braga, amigo de Baltazar. Baltazar teria falado da operação com Braga sobre, e Braga avisou Barcelona.

(manhã)

<< Home