O Triângulo de Botana


Natálio Botana é um cientista político argentino que durante a crise argentina, De La Rua apresentou uma metodologia para analisar a estabilidade/instabilidade política. São dois triângulos. O das lideranças políticas, (vértices são: Executivo, Legislativo e governadores), e o da Comunicação (vértices são: opinião pública, mídia e comunicação dos políticos). Um caso de estabilidade política total (perfeito equilíbrio) seria o dos dois triângulos eqüiláteros superpostos: uma estrela de David, com a liderança "natural" do governo (resultados) e de sua comunicação.

No caso argentino a debacle de De La Rua produziu dois triângulos isósceles muito compridos. Em um, o vértice superior era o Legislativo (que chegou a nomear três presidentes). Em outro, também isósceles, o vértice superior era a opinião pública, o povo na rua. Os demais vinham a reboque, nos dois triângulos.

Aqui desde fevereiro/2005, após a eleição da mesa da Câmara de Deputados, o primeiro triângulo ficou minimizado. Nenhum dos vértices lidera. A conjuntura política ficou sustentada pela propaganda abusiva do governo. Com a crise este segundo triângulo desapareceu. Políticos e opinião pública, perplexos.

Depois de dois meses de crise, este segundo triângulo, o da comunicação, começa a ficar isósceles. O vértice superior são os meios de comunicação que começam a cumprir um papel delicado de sinalizador e liderança políticos.

Urge que as lideranças políticas recuperem seu papel e dêem visibilidade ao primeiro triângulo e que a comunicação delas, lideranças, arrume o segundo triângulo destacando o seu vértice. Até lá, abramos os jornais e revistas, ouçamos os rádios e, especialmente, liguemos a TV, para saber dos fatos, e... dos rumos, dos julgamentos, dos culpados.


(manhã)

<< Home