Jefferson Tinha Razão, Dirceu Era Presidente II


Apesar de ontem em nota ter adiantado a entrevista de dirigente do PT, chamando a atenção que ele repetia o raciocínio do deputado Jefferson, muitos pedem que destaque trechos da entrevista no ESP. Vale a pena.

Integrante do Diretório Nacional do PT, o assessor especial da presidência do Banco do Nordeste (BNB), Ozeas Duarte de Oliveira, 64 anos, há 20 no partido, onde foi secretário nacional de Comunicação de 1997 a 2003.

‘Caixa 2 era, na verdade, caixa 1 da candidatura de Dirceu em 2010’


Qual é a origem desta crise que o PT está vivendo?
O problema começou quando o Zé Dirceu manteve-se na presidência de fato do PT quando já estava na Casa Civil. Genoino foi o presidente na aparência. Na verdade, ele era porta-voz.

Quais são as evidências de que o ministro José Dirceu continuou a ser o presidente de fato?
O Zé Dirceu manteve o controle da máquina do partido. Seu relacionamento com o Genoino era hierarquicamente estabelecido. Na prática, estava acima do Genoino. Psicologicamente, Genoino colocou-se em posição de inferioridade. Não fazia nada na política sem consultar o Zé.

E quem sabia?
Da parte financeira, o Zé e o Delúbio, com certeza, e o Silvinho, numa escala menor.

Quem foi o cérebro dessa operação milionária com Marcos Valério?
O Zé Dirceu, de fato, que, quando ministro, usurpou as funções de presidente do PT. Com a vantagem de não ter responsabilidade jurídica, o que ampliava sua margem de manobra. Ele montou grupo paralelo ao partido. Não é só que não prestasse contas à Executiva. É que não era formalmente do conhecimento nem do presidente do partido. O Genoino avaliza aquilo, ainda hoje, por processo psicológico até difícil de entender.

Como está vendo a atuação partidária do deputado José Dirceu neste momento, no plano interno?
Ele volta atuando com o objetivo de se proteger e proteger o Delúbio. Nesse ponto, ele continua atuando como presidente do PT. Porque é uma turma e, indiretamente, ele também está se protegendo. Voltou a atuar dentro do Diretório Nacional e usa o partido para se proteger.

Em que sentido?
Esse caixa 2 não é do partido. É caixa 1 do grupo do Zé Dirceu, para operar projeto pessoal, usando o PT como biombo. Porque na verdade era uma coisa paralela que objetivamente não era contabilizada no partido. Era o Marcos Valério que operava, tinha um monte de gente que não era do PT, que a gente ainda não sabe quem é. Era algo paralelo, em função de projeto político do Zé Dirceu.

Que projeto?
Ser presidente da República em 2010, sucedendo o Lula. Pra fazer isso aí ele construiu uma estrutura paralela dentro do PT. Como uma pessoa muito eficiente, um político capaz, ele se dedicou ao projeto de ascensão do Lula à Presidência, com enorme abnegação, e teve papel importantíssimo para que isso acontecesse. Foi para a Casa Civil, sendo espécie de primeiro-ministro, e qualificou-se para ser candidato natural em 2010.

Quem o senhor colocaria nominalmente nesse grupo?
O Zé Dirceu, o Delúbio, o Silvio Pereira e o Marcelo Sereno. Pode ser que existam outros, mas os visíveis para mim são esses.

(manhã)

<< Home