Em que campanhas ele se meteu naquele ano ?


Duda já recebia no exterior quando fez campanha de Maluf

CPI dos Correios descobriu remessas para a conta Chanani, operada por um doleiro brasileiro, no período eleitoral de 1998

ESP- A CPI dos Correios descobriu que o publicitário Duda Mendonça recebeu, por meio de uma empresa offshore, remessas de uma conta de doleiros na época da campanha de 1998, quando trabalhou para o candidato a governador Paulo Maluf. A conta que abasteceu a offshore de Duda chama-se Chanani e era operada por um doleiro brasileiro.

A Chanani foi criada no MTB Bank. Como a CPI também descobriu que a Chanani fez remessas para outras contas ligadas ao meio publicitário, os parlamentares suspeitam que os depósitos para Duda referem-se a caixa 2 na campanha eleitoral de 1998. Na CPI, ele negou que tivesse recebido recursos no exterior antes da campanha de 2002.

A Chanani foi investigada pela Promotoria de Nova York, no curso das investigações do Caso Banestado (envio ilegal de remessas para o exterior). A Promotoria apurou que a Chanani era uma "conta-ônibus", que intermediava depósitos entre offshores, para dificultar o rastreamento.

No caso dos depósitos para Duda, a Chanani recebeu recursos da Ágata Holdings International, outra offshore controlada por doleiros brasileiros. Após receber os depósitos, a Chanani repassou o dinheiro para a offshore de Duda.

Entre 1997 e 2000, a holding tanto enviou quanto recebeu dinheiro de Duda e de Zilmar.

Os registros do MTB Bank, obtidos pelo Estado, mostram que o publicitário fez 14 remessas, que somam cerca de R$ 1 milhão. O dinheiro saía da conta dele no BankBoston e seguia para a Ágata, que também tinha conta no MTB Bank. Numa dessas operações, por exemplo, o publicitário transferiu US$ 168.539 para a Ágata, em 7 de julho de 1999.

(manhã)

<< Home