Claudio Mourão Tesoureiro PSDB/MG Ataca na Veja

Marcos Valério Responde.

Abaixo


Comunicado divulgado em 26 de agosto de 2005

A propósito da entrevista do senhor Cláudio Mourão, veiculada no site da revista Veja, o empresário Marcos Valério reafirma suas declarações anteriores, prestadas às CPMI's dos Correios e do Mensalão, acerca dos empréstimos feitos ao PSDB, nas eleições de 1998, que são:

1) o senhor Cláudio Mourão era o coordenador financeiro da campanha da chapa Azeredo-Clésio ao governo de Minas e tinha procuração assinada pelo então candidato a governador e hoje senador Eduardo Azeredo, quando solicitou os empréstimos ao empresário Marcos Valério;

2) na ocasião, 1998, o senhor Clésio Andrade, atual vice-governador de Minas Gerais e, naquela época, integrante da chapa de Eduardo Azeredo, na condição de vice-governador, acabava de se retirar da sociedade na SMP&B e foi quem apresentou o senhor Cláudio Mourão ao empresário Marcos Valério;

3) o pedido de empréstimo, no valor de R$ 9 milhões, para auxiliar na campanha da chapa Azeredo-Clésio ao governo de Minas, foi idéia do senhor Clésio Andrade;

4) contrariamente ao que o senhor Cláudio Mourão afirma, o empresário Marcos Valério nunca fez doação à campanha de 1998, no valor de R$ 9 milhões ou qualquer outro valor;

5) os beneficiários dos recursos dos empréstimos e os valores eram determinados por Cláudio Mourão e Clésio Andrade e nunca pelo empresário Marcos Valério, que somente informava ao banco os repasses;

6) os R$ 4,5 milhões destinados ao publicitário Duda Mendonça, responsável pela campanha Azeredo-Clésio ao governo de Minas, em 1998, foram repassados diretamente à sócia de Duda, Zilmar Fernandes;

7) o empresário Marcos Valério realmente avalizou o senhor Cláudio Mourão, em 2001, em empréstimo feito no Banco Rural, no valor de R$ 250 mil, que ele não pagou. A quitação foi feita pelos avalistas.

ass. Marcos Valério.

<< Home