Banqueiro Petista


Edemar -com tanta experiência- sabia que por trás de Delubio estavam mãos muito mais poderosas !

Edemar cita Delúbio e fundos de pensão em agenda
Folha-SP

Onze dias antes de o Banco Central intervir no Banco Santos, o banqueiro Edemar Cid Ferreira tentou levantar recursos com fundos de pensão por meio de Delúbio Soares, o ex-tesoureiro do PT. A tentativa está registrada em um documento apreendido pela Polícia Federal na casa do banqueiro em março deste ano, obtido com exclusividade pela Folha.O nome de Delúbio aparece duas vezes no documento em que Edemar lista tarefas a que precisa dar continuidade no dia 1º de novembro do ano passado. Na primeira menção ("Delúbio s/ Fundos"), é o terceiro item de uma lista com 90 tarefas. Na segunda citação aparecem mais detalhes. Está escrito: "Buscar Recursos / Delúbio" sobre uma relação em que são citados os fundos de pensão Sistel,Funcef,Petros,e Valia (da Vale do Rio Doce). Os fundos de pensão perderam R$ 550 milhões. O fundo que mais perdeu recursos no Banco Santos é o Real Grandeza, dos funcionários de Furnas.

Foram para o ralo R$ 151,2 milhões desse fundo. Furnas era uma das áreas de influência do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, segundo Roberto Jefferson. Dirceu nega a acusação.

Banqueiro petista
Edemar sabia que os investimentos dos fundos de pensão obedecem a ventos políticos. Por isso investia tanto nesse segmento. Com a ascensão do PT em 2002, o banqueiro vislumbrou novos negócios. Edemar foi um dos raros banqueiros a declarar-se "petista". Aderiu à candidatura de Lula da Silva e fazia campanha dentro do banco. Delúbio era o interlocutor mais freqüente de Edemar, segundo três ex-diretores do banco ouvidos pela Folha. Era freqüentador habitual da instituição.

(manhã)

<< Home